segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

A Língua dos Sábios é Saúde

"Há palrador cujas palavras ferem como espada; porém a língua dos sábios traz saúde." 
Provérbios 12:18

As palavras são muito importantes em nossas vidas, e é imprescindível que cada cristão compreenda inteiramente essa importância, seja quando um mal surge ou quando oramos e não recebemos a resposta prontamente. Em primeiro lugar, é preciso entender que, quando surge um mal em nossas vidas e o cristão logo diz “estou doente, não estou bem”, neste momento ele está assinando um recibo do inferno. É exatamente isso! As nossas palavras valem como um recibo. Talvez você diga “eu sinto o mal” ou “foi diagnosticada uma doença”, mas vejamos o que a Palavra de Deus diz sobre isto:

Em Provérbios capítulo 12, versículo 17 está escrito: “O que diz a verdade manifesta a justiça (...)”. Mas o que é a verdade? Talvez os nossos sentimentos? A Bíblia diz em João capítulo 17:17: “Santifica-os na verdade; a tua Palavra é a verdade”.

Compreenda que não estamos negando o mal. Na verdade, o que fazemos é não aceitar algo que contradiz a Palavra, afinal, mesmo que o mal seja real e que o médico tenha verdadeiramente diagnosticado tal doença, as Escrituras dizem que “(...) pelas suas feridas fomos sarados” (Isaías capítulo 53 versículo 5).
Assim, quando surgir um mal ou o sintoma de uma doença, não o confesse, mas proceda de acordo com a Palavra de Deus. Assuma o que está escrito e resista àquele mal, e certamente ele fugirá! (Tiago capítulo 4, versículo 7).

Tenha muito cuidado, pois quando você ora, determina, e nada acontece, é nessa hora que o diabo começa a agir. E é claro que ele não vai aparecer na sua frente com chifre e garfo nas mãos. Ao contrário, ele surge através de pensamentos como “eu não orei direito” ou “tenho que orar mais forte”, e coisas semelhantes.
Mas então, cristão, o que fazer? Novamente, as nossas palavras valerão muito, pois com elas mostraremos o nosso conhecimento do mundo espiritual. Com elas podemos ser vencedores ou derrotados! (Mateus capítulo 12, versículo 37).

Davi, o grande rei de Israel, mostrava ter um grande conhecimento desse assunto, e na Bíblia podemos encontrá-lo falando assim: “Eu disse: guardarei os meus caminhos para não delinquir com a minha língua: enfrearei a minha boca enquanto o ímpio estiver diante de mim” (Salmos 39), e “Põe o Senhor uma guarda à minha boca: guarda a porta dos meus lábios” (Salmos 141:3).
Salomão, filho de Davi, continuou com esse entendimento da Palavra do Senhor em Eclesiastes capítulo 5, versículo 6: “Não consintas que a tua boca faça pecar a tua carne, nem digas diante do anjo que foi erro (...)”.

Entenda, meu irmão: mesmo que você tenha orado e determinado mas nada tenha acontecido, fique firme e não peque com a tua boca! Coloque uma guarda na porta dos teus lábios, e a palavra que saiu da tua boca não voltará para ti vazia (Isaías 55:11), pois o anjo de Deus cumprirá as suas palavras quando elas estiverem de acordo com a Palavra de Deus (Salmos 103:20).

Portanto, não diga que foi erro ou que você não orou direito; não fale diante do anjo (que é um ser espiritual e só pode ser visto com permissão divina) que foi um erro! Segure sua oração, lute contra as evidências! Não se esqueça que o justo vive da fé! Você não pode recuar (Hebreus 10:28), mas tenha a certeza de que, agindo assim, você desfrutará da vida com saúde!

Para concluir, desconsidere os pensamentos e não retroceda da tua oração. Diga: “Não adianta, satanás! A palavra que saiu da minha boca não voltará para mim vazia! A tua doença já está repreendida em nome de Jesus!”.
 Por Jayme de Amorim Campos

Um comentário:

  1. Eu tenho um estudo sobre o assunto no meu Blog:http://oracaoemlinguas.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Comente!